Apesar de ser a maior rede social profissional do mundo, o LinkedIN ainda é subutilizado por muitos usuários. Não se trata de acumular pessoas ou curtidas no mundo virtual, mas sim de fazer contatos de qualidade com seres humanos reais.

Sabia que 99,7% dos usuários a utilizam para networking e não para procurar emprego?

     Vamos conhecer um pouco mais sobre a rede e também qual seu objetivo futuro?

     No ano de 2002 Reidi Hoffman e mais quatro amigos se juntaram para criação da maior rede social profissional do mundo, sendo pioneiros em redes sociais.

     Foi lançado oficialmente em 05 de maio de 2003. (Facebook só foi lançado no ano seguinte, em 2004)

    O tamanho dessa gigante:

  • + de 400 milhões de usuários no mundo

  • Presença em 200 países (escritórios)

  • Roda em 24 idiomas

  • Cresce dois novos membros POR SEGUNDO

  • Estudantes já somam 39 milhões na rede, contrariando alguns mitos de que o Linkedin só deve ser usado por profissionais

     Brasil é o 3º em número de usuários (+ de 23 milhões), perdendo para EUA (1º) e Índia (2º)

     Durante algum tempo as empresas cuidavam das carreiras de seus funcionários, o que foi devolvido aos profissionais, sendo cada um responsável por sua própria empregabilidade. O Linkedin se destaca nesse sentido, pois não é necessário estar desempregado para fazer bons contatos. Precisamos alimentar uma rede forte para que, se um dia precisarmos de uma indicação de emprego, não teremos problema.

     Se você é prestador de serviço ou empreendedor trata-se de um excelente local para expor seu portfólio. Inclusive, algumas empresas têm deixado de investir em outras redes sociais, para investir fortemente no Linkedin.

     Como o Linkedin ganha dinheiro? Sua renda advém de:

  • 18% assinaturas premium

  • 18% soluções de marketing (anúncios)

  • 64% soluções de recrutamento oferecidas as empresas

     O futuro da rede:

     O Linkedin fez cerca de 15 aquisições nos últimos 5 anos, dentre elas as principais são:

  • Lynda.com – plataforma de cursos online

  • Slideshare – rede para compartilhamento de conteúdo em PPT, PDF

  • Pulse – rede para publicação e leitura de conteúdos, artigos

     Podemos perceber que o Linkedin tem como desejo para um futuro muito breve, se tornar uma rede de conteúdo. Será possível se profissionalizar, adquirir novas habilidades, compartilhar e consumir conteúdo: tudo dentro da rede.

     Recentemente a rede foi comprada pela Microsoft, o que aumentou ainda mais as expectativas sobre ela. Espera-se uma integração com Windows e skype, ambos amplamente utilizados por profissionais e em locais de trabalho.

Existe um grande potencial a ser explorado e se começarmos logo, teremos acesso a acompanhar um salto de crescimento dessa rede em breve.

Receba 5 dicas para transformar seu LinkedIN: bit.ly/linkedincampeao